Morre em Salvador ex-secretário de Cultura da Bahia, professor e escritor Jorge Portugal

O professor e escritor e ex-secretário de Cultura da Bahia, Jorge Portugal, morreu, aos 63 anos, na noite desta segunda-feira (3), em Salvador. Ele estava internado desde a tarde desta segunda, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) cardiovascular do Hospital Geral Roberto Santos (HGRS). Segundo a assessoria da unidade de saúde, Portugal teve de falência cardíaca aguda.

Ainda de acordo com o hospital, o ex-secretário de Cultura da Bahia estava em coma induzido e morreu por volta das 20h15. Segundo o boletim médico, ele já chegou à unidade em estado crítico com quadro de choque cardiogênico, que é quando o coração não consegue bombear sangue com eficiência.

Uma equipe do Samu foi acionada para atender o educador, que estava em estado grave com sinais de insuficiência respiratória.

Ele recebeu atendimento inicial e foi levado para o Hospital Geral Roberto Santos. Durante o trajeto, Jorge Portugal chegou a ter uma parada cardiorrespiratória, mas foi estabilizado. Não há detalhes sobre o que causou o quadro de insuficiência.

Nascido em 1956, na cidade de Santo Amaro, no recôncavo da Bahia, Jorge Portugal completaria 64 anos na quarta-feira (5). Formado em Letras pela Universidade Federal da Bahia, ele foi um educador, poeta, letrista e compositor brasileiro que marcou gerações.

O educador ficou conhecido por obras voltadas para estudos universitários, como o livro “Redação é assim”, adotado por cursos pré-vestibulares de Salvador. Sempre sorridente, Portugal se consolidou como apresentador de televisão ao liderar por nove anos “Aprovado”, programa educativo voltado para estudantes universitários na TV Bahia.

Nas redes sociais, Jorge Portugal costumava ler poemas, postar músicas, e claro, dar dicas de estudos. No Instagram, o útimo post dele foi no dia 3 de junho Antes, no dia 24 de maio, ele fez um vídeo falando sobre a quarentena.

“Para aqueles que nunca entenderam profundamente o que é cultura, está podendo vivenciar agora. A cultura do abraço, do carinho, do afeto, do estar próximo, isso está cancelado por um bom tempo. Eu só espero que, depois de toda essa experiência, a humanidade tire a essência dessa lição e seja bem melhor “, disse.

Entre as letras de sucesso compostas por Jorge Portugal está “Só se vê na Bahia”, escrita em parceria com Roberto Mendes e outras composições, que ficaram marcadas nas vozes de Gal Costa, Maria Bethânia e Elba Ramalho, como “Vida vã”, “Filosofia pura” e “A massa”.

Em 2015, Portugal foi nomeado secretário de Cultura da Bahia, onde ficou até 2017. Jorge Portugal deixa esposa, Rita Vieira, e três filhos, o sociólogo Caetano Ignácio, a atriz Bárbara Bela e o jornalista Thiago Dantas.

Amigos lamentam

Em nota, o governador Rui Costa lamentou a perda e decretou luto oficial no estado na terça-feira (4).

“Imensamente entristecidos, lamentamos a morte do ex-secretário de Cultura do Estado Jorge Portugal. Educador, poeta, compositor, Jorge era um homem de múltiplos talentos, exercidos com a energia e a simpatia que inspirava todos à sua volta. Era, antes de tudo, um homem apaixonado pela Bahia e pelo seu povo que estiveram sempre no centro do seu trabalho, fosse como administrador público, professor e artista. Como diz um dos seus versos: ‘Uma nação diferente, toda prosa e poesia, tudo isso finalmente, só se vê, só se vê na Bahia’. Nossos sentimentos para seus amigos e familiares por essa grande perda”, disse Rui Costa.

Nas redes sociais, o prefeito de Salvador, ACM Neto também lamentou a morte do professor.

“A Bahia perde hoje um grande professor, poeta e compositor que trouxe valorosas contribuições para a educação e cultura da nossa terra. Que Deus conforte os familiares e amigos de Jorge Portugal neste momento de profunda dor”, disse ACM Neto.

O vice-governador da Bahia e secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, João Leão, também lamentou a morte do professor e ex-secretário de Cultura da Bahia. “Jorge Portugal era um amigo querido, com quem tive o imenso prazer de trabalhar na política e conviver na vida. Aos familiares e amigos, meus mais profundos sentimentos por este momento de pesar. Portugal deixa um legado para a língua portuguesa, pelo acesso democrático à educação e para a cultura baiana”.

Em nota, Fernando Guerreiro, presidente da Fundação Gregório de Matos (FGM), lamentou a morte do amigo. “Um cidadão brasileiro, baiano e Santamarense de responsa, esse sempre foi Jorge Portugal. Impossível falar dele sem um sorriso nos lábios, uma leveza na alma e muita poesia no coração. Portugal ressignificou o ensino com sua excepcional verve comunicativa e valorizou, como ninguém, nosso jeito de ver o mundo e se relacionar com ele. Com sua partida, as palavras perdem seu brilho e a nossa língua perde um de seus melhores tradutores. Vá em paz grande mestre!”, disse.

Por: G1.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *