Morre em Brasília, vítima do Covid, o médico Brancildes Júnior, que ajudou na implantação do Hemocentro Regional de Eunápolis

Morreu no início da noite deste domingo, 02 de agosto, em Brasília, onde estava internado em função da infecção do Covid-19, o médico alagoano Dr. Brancildes Olímpio do Espírito Santo Júnior. Ele tinha 63 anos e deixa a esposa dra. Graça Melo e três filhos também médicos: Rodrigo Melo, Tiago Melo e Jéssica Melo. 

Brancildes Junior foi mais um profissional da saúde contaminado pelo Covid-19, e que desenvolveu a forma grave da doença que o levou à morte. 

ATUOU EM EUNÁPOLIS 

Natural de Maceió, dr. Brancildes era muito conhecido em Eunápolis, onde ajudou a implantar o Hemocentro Regional. Ele atuou durante 10 anos, de 1997 a 2007, em Itabuna e em Eunápolis, no extremo sul do estado, oportunidade em que desenvolveu diversas campanhas em busca de doações. 

De Eunápolis, mudou-se para Barreiras sempre com foco em trabalhos sociais. Tinha, inclusive, um programa de rádio voltado para essas questões. 

INTERNADO EM BRASÍLIA

Em meados de julho, Brancildes e a família postaram um vídeo nas redes sociais, no qual comunicavam à população de Barreiras, onde morava, que haviam sido contaminados pelo Covid-19.  

No caso dele, a doença evoluiu, junto com outros problemas de saúde e teve que ser levado em estado grave para Brasília onde ficou internado por mais de 15 dias, até sofrer uma parada cardíaca que o matou, neste domingo. 

Dias depois de divulgar o vídeo, sua esposa divulgou em redes sociais que Dr. Brancildes tinha sido encaminhado para Brasília, em função do agravamento de sua doença. Ele acabou sendo entubado e devido às complicações do quadro de saúde necessitou realizar sessões de hemodiálise.  

No sábado, dia 01, em nota oficial da família, foi informado que Dr. Brancildes apresentava melhoras e pedia orações aos amigos e conhecidos. Como a hemodiálise é bastante evasiva e devido à gravidade de sua saúde, Dr. Brancildes acabou sofrendo uma parada cardíaca. 

MORAVA EM BARREIRAS 

No Oeste baiano ele se estabeleceu, com a mulher e os três filhos, Rodrigo, Tiago e Jéssica (todos médicos) no município de Barreiras, de onde tornou-se referência no exercício da medicina e na política regional. Foi vereador no município de Riachão das Neves, presidente da Câmara e vice- prefeito. 

Entre os legados deixados por Brancildes Junior em Barreiras está o pioneirismo na criação do primeiro centro de hemodiálise do oeste baiano (o Unisangue), logo quando chegou à cidade, no início dos anos 2000.

Nesta segunda-feira, a Prefeitura de Barreiras decretou luto oficial de três dias e emitiu Nota de Pesar pela morte do médico alagoano.

 

Por: Rose Marrie Galvão 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *